Ivo Oliveira1, Ricardo Xavier2, Sílvia Afonso1, Sara Bernardo1, Raquel Veiga2, Sérgio João2, Maria Cristina Morais1, Frank S. Rogerson3, Fernando Alves3, Berta Gonçalves1

1Centre for the Research and Technology of Agro-Environmental and Biological Sciences. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 5000-801 Vila Real

2Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, UTAD, Quinta de Prados, 5000-801 Vila Real, Portugal

3Symington Family Estates. Quinta do Bomfim. 5000-060 Pinhão. Portugal

Corresponding author: ivo.vaz.oliveira@utad.pt

As mudanças previstas no clima futuro indicam que condições climáticas ainda mais severas se irão registar na Região Demarcada do Douro (DDR), já caracterizada por altas temperaturas e chuvas reduzidas. Essas mudanças poderão resultar em perdas produtivas e económicas, se não forem levadas a cabo medidas para mitigação do stresse estival. A selecção de variedades e porta-enxertos mais adequados é uma das medidas para minimizar essas perdas. Assim, foram estudadas combinações de quatro variedades (Tinta Barroca – TB, Tinta Roriz – TR, Touriga Franca – TF e Touriga Nacional – TN) em quatro porta-enxertos (Rupestris du Lot, R110, 1103P e 196-17 Cl), considerando as suas estratégias adaptativas para o stresse estival, durante 3 anos (2013 a 2015). Os parâmetros avaliados incluem características morfo-anatómicas e bioquímicas foliares, avaliação das trocas gasosas foliares, bem como registo da produtividade e vigor das videiras. Vários mecanismos de adaptação foram encontrados, como alterações nas características morfo-anatómicas, mas também ajuste osmótico, ou ainda parâmetros bioquímicos mais adequados. O resultado mostra uma complexa interacção entre variedades e porta-enxertos, que deve ser considerada na instalação de novas vinhas. De uma forma geral, a combinação TR x 110R parece ser a mais apropriada, pois apresenta um comportamento fisiológico semelhante às outras combinações, e ainda aumento do peso dos cachos e da produtividade. Pelos mesmos motivos, e em relação às demais variedades, cabe destacar as combinações TB x 110 R, TF x 1103 P e TN x Rupestris du Lot.

Palavras-chave: Vitis vinifera; Variedade; Porta-enxerto; Morfologia foliar; Bioquímica foliar; Trocas gasosas foliares; Stresses abióticos; Região Demarcada do Douro

Documentos anexados