O clima tem uma extrema importância no desenvolvimento da videira, condicionando directamente a ocorrência e duração dos diferentes estados fenológicos e, consequentemente, a produção e qualidade do vinho. Para uma análise da variabilidade climática de uma região são necessários dados climáticos de diversos anos, em particular de temperatura do ar e precipitação. Assim, no presente trabalho foi utilizado um método estatístico de regressão múltipla, para o período 1990-2010, utilizando valores mensais de temperatura do ar e precipitação como variáveis independentes. O objectivo do estudo consistiu em avaliar a influência da variabilidade climática na ocorrência de estados fenológicos, nomeadamente o abrolhamento, a floração e o pintor de duas castas brancas (Chasselas e Fernão Pires) e de duas castas tintas (Aragonez e Castelão), localizadas na Região Vinícola de Lisboa (Quinta da Almoinha: 39°02’N, 9°11’W, 100 m). Os resultados evidenciaram um significativo efeito da temperatura do ar na data de ocorrência e duração dos estados fenológicos, bem como uma estreita relação entre os mesmos, indicando a potencialidade de desenvolvimento de modelos de previsão.

Documentos anexados