Este trabalho teve por base três lotes de Cabernet Sauvignon com diferentes níveis de carência hídrica durante a maturação. Logo que se verificou o aumento do tamanho dos bagos, a concentração em açúcares e em antocianas decresceu proporcionalmente, enquanto que o teor das películas em taninos manteve-se mais estável. A concentração de taninos das grainhas não registou qualquer alteração. O stress hídrico induziu uma redução do tamanho dos bagos; proporcionalmente, a concentração das películas em antocianas e taninos aumentou, enquanto que a de taninos das grainhas não foi influenciada pelo estado hídrico. Os resultados demonstram que as variações de composição da uva – e por isso do vinho final – induzidas pelos diferentes regimes hídricos, não dependem apenas das variações do tamanho dos bagos: existe um efeito de crescimento mais do que proporcional da concentração de antocianas e de taninos da película. Os mecanismos que estão na origem deste fenómeno não estão ainda perfeitamente claros. Aconselhamos a leitura do texto integral. Título original: Berry size and vine water deficits as factors in winegrape composition: anthocyanins and tannins