italianoenglishfrançaisdeutschespañolportuguês
Idioma
Pesquisa do site
  • » Análises
  • » DETERMINAÇÃO DE OCRATOXINA NAS UVAS, REVISÃO DOS MÉTODOS DISPONÍVEIS

DETERMINAÇÃO DE OCRATOXINA NAS UVAS, REVISÃO DOS MÉTODOS DISPONÍVEIS

Tonus T., De la Vedova À, Spadetto S. Flamini R., 2005, Revue de viticoltura et enologia, 1

Os principais métodos analíticos disponíveis para a determinação da Ocratoxina A nas uvas foram testados e comparados. Amostras de uvas de diferentes castas, constituídas por um número de bagos variáveis, entre 200 e 400, foram colhidas e preparados para as análises de acordo com o método proposto por Garcia Moruno et al. (2004) e submetidas a análises de HPLC com revelação espectrofotométrica. A determinação de OTA foi também realizada por via imunoenzimática. A síntese de Ocratoxina A – metiléster e o registo dos espectros de emissão foram finalmente utilizados como métodos de confirmação. O método imunoenzimático deu resultados com margens de erro menores que o método HPLC do qual o momento crítico foi a re-solubilização do resíduo seco em fase móvel. Finalmente, o método seguro revelou sem dúvida ser a combinação do espectro de fluorescência com o método de esterificação de amostra. Aconselha-se a leitura integral do artigo. Título original: Studio dei metodi chimici per il monitoraggio dell’ocratossina A (OTA) nell’uva

Publicado em 06/12/2005
Páginas relacionadas
    Medir o potencial hídrico: quando, onde e qual a razão
    Luis Gonzaga Santesteban García, Universidad Pública de Navarra, Espanha
    O potencial hídrico é considerado a medida de referência para a determinação do estado hídrico das plantas. No entanto, na medição do potencial hídrico da videira, não é consensual a escolha da mel...
    Preço:27 €(IVA incluído)
    Publicado em:24/04/2021
    Cor do vinho: 5 conselhos práticos para melhorar sua estabilidade
    Antonio Morata, Universidad Politécnica de Madrid
    Como antocianinas são os pigmentos responsáveis pelo cor do vinho. No entanto, em condições enológicas, não são estáveis e a sua evolução durante a fermentação, estabilização e envelhecimento influ...
    Preço:47 €(IVA incluído)
    Publicado em:26/01/2021
    Oxigénio e enxofre na produção de vinho
    Vicente Ferreira, LAAE, Universidad de Zaragoza
    70% dos vinhos apresentam, sem sinais óbvios, os aromas que vão provocar a sua degradação aromática no momento em que o nível de SO2 livre diminui. Estes são essencialmente duas moléculas aromática...
    Preço:27 €(IVA incluído)
    Publicado em:10/07/2019
    BRETTANOMYCES: AS CÉLULAS VNC SÃO PERIGOSAS?
    Lucile PIC e Jacques MATHIEU ; GIE ICV VVS
    Com a finalidade de ajudar os enólogos na escolha do método de análise melhor adaptado para a prevenção da formação de fenóis voláteis e notas “animais” nos vinhos, comprometemo-nos, at...
    Publicado em:30/05/2017
    S. Catarino1.2,*, A.S. Curvelo-Garcia 1, R. Bruno de Sousa2
    Artigo publicado na revista Ciência e Técnica Vitivinícola, Volume 22, N2, 2007, editada pelo Instituto Nacional de Recursos Biológicos, IP, INIA – Ex – Estação Vitivinícola Nacional. Aproximadamen...
    Publicado em:03/06/2008
    Bénédicte Pineau, Jean-Christophe Barbe, Cornelis Van Leeuwen, and Denis Dubourdieu, J. Agric. Food Chem., 55 (10), 4103 -4108, 2007
    A β Damascenona, um composto norisoprenoide, em C-13 é habitualmente apresentada como tendo um impacto no aroma dos vinhos tintos. Foi estudada a sua contribuição directa no perfil organolépti...
    Publicado em:06/05/2008
© Todos os direitos reservados
VAT: IT01286830334
ISSN 1826-1590
powered by Infonet Srl Piacenza
- A +
ExecTime : 1,640625