italianoenglishfrançaisdeutschespañolportuguês
Idioma
Pesquisa do site
  • » Análises
  • » QUE IMPACTO TEM A B-DAMASCENONA NO AROMA DOS VINHOS TINTOS?

QUE IMPACTO TEM A B-DAMASCENONA NO AROMA DOS VINHOS TINTOS?

Bénédicte Pineau, Jean-Christophe Barbe, Cornelis Van Leeuwen, and Denis Dubourdieu, J. Agric. Food Chem., 55 (10), 4103 -4108, 2007

A β Damascenona, um composto norisoprenoide em C-13, é habitualmente apresentada como tendo um impacto no aroma dos vinhos tintos. Foi estudada a sua contribuição directa no perfil organoléptico dos vinhos tintos. A β Damascenona livre e os percursores de β Damascenona foram isolados a partir de vários vinhos tintos franceses e de seguida analisados por cromatografia gasosa e espectometria de massa (GS/MS). Esta análise revelou concentrações na ordem de 1 µg/L para os compostos livres e de 2 µg/L para as duas formas. Foram também realizadas análises por cromatografia gasosa e espectometria de massa nas diluições de extractos de vinho tinto e de β Damascenona pura. O limite de detecção mais baixo revelado por olfatometria para este composto explica porque o encontramos no factor de diluição mais elevado com os métodos de análise da diluição de extractos aromáticos. Para além disso, a determinação dos limites de detecção olfactivos da β Damascenona confirmou a importância da matriz: a β Damascenona caracteriza-se por ter um limite de percepção muito baixo numa solução hidroalcoólica quando comparado com o vinho tinto, onde é 1000 vezes mais elevado. Na solução hidroalcoólica, a β Damascenona realça as notas frutadas de cinamato, de etilo e caproato de etilo e mascara o aroma herbáceo de IBMP. Globalmente, estes resultados sugerem que β Damascenona tem maior vantagem de forma indirecta do que directa no aroma dos vinhos tintos. Aconselhamos a leitura do texto integral. Título original: Which Impact for -Damascenone on Red Wines Aroma?

Publicado em 06/05/2008
Páginas relacionadas
    Medir o potencial hídrico: quando, onde e qual a razão
    Luis Gonzaga Santesteban García, Universidad Pública de Navarra, Espanha
    O potencial hídrico é considerado a medida de referência para a determinação do estado hídrico das plantas. No entanto, na medição do potencial hídrico da videira, não é consensual a escolha da mel...
    Preço:27 €(IVA incluído)
    Publicado em:24/04/2021
    Cor do vinho: 5 conselhos práticos para melhorar sua estabilidade
    Antonio Morata, Universidad Politécnica de Madrid
    Como antocianinas são os pigmentos responsáveis pelo cor do vinho. No entanto, em condições enológicas, não são estáveis e a sua evolução durante a fermentação, estabilização e envelhecimento influ...
    Preço:47 €(IVA incluído)
    Publicado em:26/01/2021
    Oxigénio e enxofre na produção de vinho
    Vicente Ferreira, LAAE, Universidad de Zaragoza
    70% dos vinhos apresentam, sem sinais óbvios, os aromas que vão provocar a sua degradação aromática no momento em que o nível de SO2 livre diminui. Estes são essencialmente duas moléculas aromática...
    Preço:27 €(IVA incluído)
    Publicado em:10/07/2019
    BRETTANOMYCES: AS CÉLULAS VNC SÃO PERIGOSAS?
    Lucile PIC e Jacques MATHIEU ; GIE ICV VVS
    Com a finalidade de ajudar os enólogos na escolha do método de análise melhor adaptado para a prevenção da formação de fenóis voláteis e notas “animais” nos vinhos, comprometemo-nos, at...
    Publicado em:30/05/2017
    S. Catarino1.2,*, A.S. Curvelo-Garcia 1, R. Bruno de Sousa2
    Artigo publicado na revista Ciência e Técnica Vitivinícola, Volume 22, N2, 2007, editada pelo Instituto Nacional de Recursos Biológicos, IP, INIA – Ex – Estação Vitivinícola Nacional. Aproximadamen...
    Publicado em:03/06/2008
    FOSS apresentou na SIMEI 2007 um aparelho – baseado na tecnologia FTIR – com capacidade para determinar em poucos minutos álcool, açúcares, acidez total, pH e ácido málico. O aparelho foi optimizad...
    Publicado em:20/04/2008
© Todos os direitos reservados
VAT: IT01286830334
ISSN 1826-1590
powered by Infonet Srl Piacenza
- A +
ExecTime : 2,171875