italianoenglishfrançaisdeutschespañolportuguês
Idioma
Pesquisa do site
  • » Artigos Técnicos
  • » Protecção das videiras contra elevadas temperaturas e radiação: Aspersão com água ou pulverização com caulino?

Protecção das videiras contra elevadas temperaturas e radiação: Aspersão com água ou pulverização com caulino?

infowine.forum 2018 | Poster

M. Oliveira. UTAD – CITAB, Vila Real. mto@utad.pt

P. Barbosa. Quinta do Vale Meão, Vila Nova de Foz Coa. pedro.barbosa@aveleda.pt

A. Guedes. Quinta do Vale Meão, Vila Nova de Foz Coa, Portugal. a.g@quintavalemeao.pt

 

Em zonas de elevadas temperaturas e intensa radiação solar as vinhas devem ser tratadas de forma a reduzir os efeitos negativos mas ainda manter os rendimentos e a qualidade dos mostos. Foi realizado um trabalho experimental durante três anos no Douro Superior em que as videiras foram protegidas com um tratamento de caulino (TC) ou com a aspersão de uma névoa de água (NA) e comparadas com videiras não tratadas (NT) que serviram de testemunhas. Em cada tratamento, foi obtido um conjunto de dados sobre a temperatura dos copados e dos cachos, a condutância estomática, as componentes da produção e da composição do mosto. NA reduziu a temperatura do copado em relação a TC e NT mas TC não teve o mesmo resultado. Tanto TC como NA reduziram a temperatura dos cachos em relação aos não tratados. A condutância estomática foi mais elevada em NA do que em TC e em NT as quais não mostraram diferenças significativas entre eles. Os rendimentos foram mais elevados e a percentagem de bagos desidratados foi menor nas videiras tradas do que nas testemunhas. A composição dos mostos não foi significativamente diferente entre tratamentos. TC e NA são técnicas de gestão das vinhas sob condições de elevadas temperaturas e radiação que podem evitar perdas graves de rendimento devidas à desidratação dos bagos. TC não reduziu significativamente a temperatura do copado. Os tratamentos não afectaram a composição dos mostos. Benefícios ou prejuízos adicionais de NA e TC, tais como infecções fúngicas e repelência de insectos, devem ser considerados mais tarde.

Publicado em 19/06/2018
Páginas relacionadas
© Todos os direitos reservados
VAT: IT01286830334
ISSN 1826-1590
powered by Infonet Srl Piacenza
Política de privacidade
Este site utiliza cookies que são necessários para a finalidade descrita na política de cookies. Se quiser saber mais sobre cookies, consulte a política de cookies. Ao fechar este banner e ao navegar nesta página, clicando num link ou continuar a navegação de qualquer outra forma, está a concordar com o uso e política de cookies.
Mais informaçãoOK

- A +
ExecTime : 1,578125