italianoenglishfrançaisdeutschespañolportuguês
Idioma
Pesquisa do site
  • » Novidades
  • » Uma nova proteína como alternativa aos produtos fitossanitários contra o míldio

Uma nova proteína como alternativa aos produtos fitossanitários contra o míldio

A videira (Vitis vinifera L.) é uma cultivar de grande valor económico em todo o mundo. A produção de uva, em 2018, ultrapassou os 29 milhões de toneladas na Europa, maior produtor mundial.

Uma produção desta magnitude é possível graças à utilização de produtos fitossanitários que permitem combater diversas doenças, entre as quais o míldio da vinha, que se destaca pela sua importância e difusão, causado por um grupo de organismos denominados oomicetas (morfologicamente semelhantes a fungos), Plasmopara viticola. Na ausência de tratamentos e em condições ambientais favoráveis, o míldio pode afetar até 75% das videiras, provocando perdas significativas na produção.

Há cinco anos, os grupos de investigação de Paolo Pesaresi, do Departamento de Biociências da Universidade de Milão, e de Silvia Vezzulli, da Fundação Edmund Mach de San Michele all'Adige, Itália, iniciaram o estudo de uma nova estratégia que permitiria o desenvolvimento de alternativas aos fungicidas convencionais, com baixo impacto ambiental.

O projeto GrAptaResistance permitiu o desenvolvimento de uma nova estratégia no setor agroquímico, que possibilita o isolamento de pequenas proteínas, compostas por 8 aminoácidos absolutamente naturais, capazes de inibir enzimas chave de agentes patogénicos e por esta razão, combater infeções.

Neste estudo publicado na Scientific Reports, foi identificada a proteína NoPv1 (No Plasmopara viticola 1) capaz de bloquear desde o início infeções nas folhas de vinha pelo agente patogénico. Além disso, NoPv1 não prejudica, de forma alguma, o crescimento de outros microrganismos presentes no solo e benéficos para a vinha, não sendo prejudicial para as células humanas.

Embora os resultados obtidos sejam preliminares, esta estratégia representa um passo importante na procura de alternativas de baixo impacto ambiental aos produtos agro-farmacéuticos. Segundo os autores, a técnica pode ser utilizada para identificar proteínas naturalmente capazes de combater infeções causadas por diversos agentes patogénicos de plantas.

Publicado em 25/11/2020
Fotos
Páginas relacionadas
© Todos os direitos reservados
VAT: IT01286830334
ISSN 1826-1590
powered by Infonet Srl Piacenza
Política de privacidade
Este site utiliza cookies que são necessários para a finalidade descrita na política de cookies. Se quiser saber mais sobre cookies, consulte a política de cookies. Ao fechar este banner e ao navegar nesta página, clicando num link ou continuar a navegação de qualquer outra forma, está a concordar com o uso e política de cookies.
Mais informaçãoOK

- A +
ExecTime : 1,546875