italianoenglishfrançaisdeutschespañolportuguês
Idioma
Pesquisa do site
  • » Outros temas
  • » MOLÉCULAS ANTI-CANCERIGENAS QUE SE FORMAM DURANTE O ESTÁGIO EM BARRICA DE CARVALHO

MOLÉCULAS ANTI-CANCERIGENAS QUE SE FORMAM DURANTE O ESTÁGIO EM BARRICA DE CARVALHO

S. Quideau, Michael Jourdes, Cédric Saucier, Yves Glories, Patrick Pardon and Christian Baudry, Angew. Chem. Int. Ed. 2003, 42 (48)

Os polifenois, além das suas propriedades organolépticas, estão na origem da classificação do vinho tinto como bebida benéfica para a saúde. Eles permitem, em particular, a prevenção de doenças cardiovasculares. Investigadores franceses da equipa de trabalho do Prof. Stéphane Quideau acabam de descobrir um novo composto polifenólico presente no vinho tinto que poderá ter propriedades anti-cancerígenas.O composto em questão é a acutissimina A. Esta substância comporta ao mesmo tempo elementos flavonoides e taninos. A substância foi identificada pela primeira vez na espécie de carvalho Quercus acutissima, que lhe confere a designação. O grande interesse da Acutissima A é a sua acção de inibição sobre o ADN topoisomerase II, uma enzima alvo no tratamento do cancro. A acutissima A inibe esta enzima 250 vezes mais que o agente anti tumor Etopósido utilizado clinicamente. Esta equipa de trabalho pôde produzir em laboratório Acutissimina A semi-sintética através da criação de uma ligação química entre a flavonoide catequina e o tanino vescalagina. A utilização de um isómero da catequina, a epicatequina, permite a obtenção de um composto próximo, até ao presente desconhecido, que os investigadores baptizaram de “epicutissima”. Esta equipa pôde identificar esta substância em extractos de vinho tinto. Qual a origem destas substâncias – a acutissima e a epicutissima – presentes no vinho? É o carvalho das barricas de estágio. Segundo Quideau, «o sumo de uva contém os precursores flavonoides da catequina e da epicatequina. Durante o estágio, o líquido alcoólico extrai toda uma gama de substâncias da madeira de carvalho das barricas, entre as quais, o co-reagente necessário vescalagina». Certamente não se poderá ainda afirmar que o vinho previne o Cancro. É, no entanto, muito provável que o vinho contenha outras moléculas híbridas de taninos que tenham uma actividade farmacológica interessante. Contacto: Dr. S. Quideau Institut Européen de Chimie et Biologie 16 avenue Pey-Berland Pessac Cedex Fax: (+33) 540-006430 E-mail: s.quideau@iecb-polytechnique.u-bordeaux.fr (Aconselhamos a leitura do texto integral. Titulo original: "DNA topoisomerase Inhibitor Acutissimin A and Other Flavano-Ellagitannins in Red Wines")

Publicado em 25/03/2004
Páginas relacionadas
© Todos os direitos reservados
VAT: IT01286830334
ISSN 1826-1590
powered by Infonet Srl Piacenza
- A +
ExecTime : 2,578125